Editora Quitanda

CONTACTO@EDITORAQUITANDA.COM

(11) 99762-5000

0

Resumo do pedido

0
Subtotal: R$0,00

Nenhum produto no carrinho.

0

Resumo do pedido

0
Subtotal: R$0,00

Nenhum produto no carrinho.

CINCO MANDAMENTOS PARA UM PLANEJAMENTO BEM-SUCEDIDO

 

Para um planejamento bem sucedido, é necessário compreender que a vida é feita de ciclos, , assim como as estações da natureza, existe o verão, inverno, outono e a primavera, e em cada uma dessas estações, há sementes específicas a serem plantadas, sendo que a colheita delas é obrigatória, ou seja, se plantou um limoeiro, esperara-se colher o limão, do contrário, é pura ilusão.

Por isso, é imprescindível olhar para si mesmo e identificar em que ciclo você se encontra, e saber se vai ser necessário iniciar um novo ciclo, uma nova estação com plantações novas ou se vai apenas deixar fluir o ciclo em que você se encontra, para então alcançar um planejamento bem-sucedido. 

Janeiro é praticamente o mês internacional do planejamento, os seres humanos se enchem de expectativas e destacam no papel ou simplesmente na mente, os seus sonhos para o ano que se inicia, não obstante, alguns sonhos são confundidos com fantasias. Aprendi recentemente com uma professora de Filosofia que a fantasia, provoca no ser humano, um êxtase em que a pessoa é elevada a um nível psicológico, no plano das ideias, e realiza-os ali mesmo, ou seja, a fantasia não se dispõe de matéria prima para a sua realização, a pessoa realiza-a na mente, não passa de mera ilusão. Já os sonhos são planejados com afinco e se dispõem de matéria prima para realizá-los. É a diferença entre quem planeja e realiza de quem planeja, mas sua realização não passa da imaginação.

 No  livro O velho e o mar, de Ernest Hemingway, algo que me despertou a atenção ao mesmo tempo em que fui tomada de grande admiração quando o Velho diz ao garoto com quem por muito tempo estabeleceu uma comunhão fraterna, que seu despertador era a sua idade, diferentemente do garoto que usufruía da presença do Velho para o despertar e fazê-lo levantar-se mais cedo. Para o Velho, o ciclo da vida em que se encontrava, não lhe permitia-lhe dormir por longas horas, seria demasiada perca de tempo para as coisas que ele se propunha a fazer diariamente, e isto lhe foi automático.

Então, pensei que talvez deva ser por isso que quando eu acordava, meu avô já teria feito um milhão de coisas (pois se levantava as 04:30), enquanto eu, as 07h, estava só iniciando o primeiro round. Não estou dizendo que você deva acordar as 04:30, pois, minha avô também se encontrava no se ciclo, e na sua própria estação, planejamentos bem-sucedidos resultão disso. 

Os ciclos te dirão do que precisa ser renovado, do que precisa ser alcançado, isto também significa que, o que você planejar nesta etapa, deve ser condizente com o ciclo em você se encontra, deve ser coerente, deve ser passível de realização, deve ser possível,  e deve dispor de matéria prima, senão, não passará de uma ilusão. Será como a criança que ser adulta e o idoso que quer voltar ser criança, e isto é um grande desacerto.

Ora, é necessário conhecer os ciclos de sua vida, e não apenas isso, é preciso compreendê-los e aceitá-los, se de fato, pretende planejar seus dias e vivê-los melhor, sendo assim, segue a lista dos cinco mandamentos do planejamento bem-sucedido:

1- Almeje um nível espiritual que te leve mais próximo de Deus

Na maioria das vezes, os seres humanos planejam o que é visível, material, e o que é digno de reconhecimento. No entanto, perde-se de vista o que é primordial, que seria “Deus”, que nos criou a sua imagem e semelhança e que nos ajuda a sermos verdadeiramente humanos. Ora, se de uma laranjeira espera-se colher laranjas, do inverno espera-se temperaturas mais baixas, de um hospital espera-se o atendimento digno de pessoas que padeçam de alguma doença, do que é esperado de nós, se não, de sermos verdadeiramente aquilo que fomos criados para sermos, imagem e semelhança de Deus no mundo. sem Deus, nenhum planejamento é bem-sucedido.

Por isso, busque impetuosamente por virtudes que agradam a Deus, como, a fraternidade, a justiça, o amor ao próximo, a generosidade, a alegria, a empatia, e corresponda com aquilo para o qual foste criado.

2- Esteja certo e convicto daquilo que você quer e planeje

Certa vez, Epíteto, um filósofo estoico, disse: Primeiro, diga a si mesmo o que você deveria ser, depois, faça o que tem de fazer.

É interessante como as pessoas hoje carecem, de orientação em relação ao trabalho, vocação bem como de recursos para elaborar planejamentos bem-sucedidos. Há uma grande defasagem no ensino existente na educação, nas relações familiares, relações sociais, e na sociedade em si, que permite a longo prazo essa desorientação profissional e até mesmo humanitária.

Por isso, procure coisas pelas quais você gosta, planeje bem, tenha foco e não apenas isso, busque aquilo com o qual você se identifique, e que ainda que o mundo desabe, ainda que não mais existam pessoas te encorajando, ainda que fracasses muitas vezes, não deixarás de o fazer, porque aquilo é o que está em harmonia com a sua vida.

3- Não desista! Avalie se foram usadas as ferramentas certas e se programe melhor

Um dos grandes erros cometido por muita gente é deixar de avaliar os motivos pelos quais as coisas deram errado ou certo. Ao invés de simplesmente desistir do que você planejou por ter fracassado, avalie com foco o que de fato deu errado, e porquê deu errado, ou mesmo aquilo que deu certo, para que isso te possibilite adotar novas regras, remanejar as estratégias adotadas, ou até mesmo partir para um novo jogo, que também é totalmente válido.

Perceba que momentos como esses surgirão ao longo da jornada, mas isto não quer dizer necessariamente que está tudo acabado. Certo dia, o Velho, de O Velho e o mar, em alto mar, quando seu método de pesca pareceu estar falhando, disse:

“Mas”, pensou, “eu as mantenho sempre na mesma profundidade. O que aconteceu é que acabou a minha sorte. Mas, quem sabe? Talvez hoje. Cada dia é um novo dia. É melhor ter sorte. Mas eu prefiro fazer as coisas sempre bem. Então, se a sorte me sorrir, estou preparado. Este é um exemplo de um planejamento bem-sucedido (HEMINGWAY, 2017, p.35).

4- Seja livre

A verdadeira liberdade só é alcançada quando compreendemos nossos limites, daquilo que podemos controlar e mudar e do que não podemos. Tudo isto, só é possível fazer com aquilo que estiver dentro de nós. O que está fora de nós, obedece ao fluxo da natureza e dos homens.

A liberdade consiste em você aceitar esse fluxo que está fora de ti, sem se esquecer de bolar um planejamento bem-sucedido e encará-lo da forma mais humana e natural possível, pois, você não consegue impedir que aconteça. Aquilo que você pode controlar, são as suas emoções, o seu carácter, suas opiniões, suas aspirações, seus desejos, o que te causa desgosto, seus pecados. É o conteúdo de sua vida interior. E isso, ninguém pode tirar de você. Só você. Portanto, invista em virtudes, para então alcançar um planejamento bem-sucedido.

5- Seja leve

Não leve a vida sempre tão a sério. Pense como os filósofos antigos, e encare a vida como um banquete, e divirta-se também. Mas, há algo de extraordinário em um banquete, que é a compostura dos convidados e, isso você não deve deixar de colocar na sua lista de etiquetas. Epíteto vai dizer que ao encarar a vida como se fosse um banquete, você perceberá que o tipo de comportamento que se exige de você no banquete é uma postura elegante, quando passarem as bandejas e travessas de comida, servir-te-ás com moderação, e se por acaso uma travessa não lhe passar à frente, saborearás aquilo que já estiver no seu prato, e se demorar em chegar, aguardarás com paciência.

É assim com a nossa vida diária, caso desejarmos ter um planejamento bem-sucedido, devemos manter o contentamento, a gratidão, a delicadeza, e o respeito com os outros seres, com o seu trabalho, com as suas finanças, com a sua vida. Não tens motivos para desejar ardentemente ou pegar o que está no prato do outro, isso pode ser indício de inveja, é totalmente deselegante, e não lhe é apropriado, não tens motivos para brigar com o garçom pela demora, isso revelaria a sua falta de empatia, gentileza, e tolerância, portanto, acalme-se e espere a sua vez.

 

Celma Marília da N. Leão Chingulo

 

Referências

Epiteto. A arte de viver: uma nova interpretação de Sharon Labell; trad.Maria Luiza Newlands da Silveira. Rio de Janeiro: Sextante, 2018.

Hemingway, Ernest. O velho e o mar. Trad. Fernando de Castro Ferro.- 92º ed.-Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2017.

 

 

Posts Relacionados

Pertencimento
A BELEZA DA MATERNIDADE
FELIZ DIA DO LIVRO, QUITANDEIROS.